RESILIÊNCIA: que bicho é esse ?

RESILIÊNCIA: que bicho é esse ?

Muitas pessoas relacionam resiliência com otimismo, com a figura de pessoas “esperançosas” – do tipo que sorriem em face das adversidades da vida.

Particularmente, não gosto muito desse tipo de definição. Entendo que esse conceito refere-se muito mais um estágio final, idealizado do que real, palpável, praticável por nós – pobre seres mortais.

Nas palavras da Dra Karen Reivich, pesquisadora da Universidade da Pennsylvania/EUA, “A pior maneira possível de construir auto-eficácia em alguém é estimulá-lo com banalidades do tipo você pode fazer isso, incentivá-la a cantar frases alegres, elogiá-lo fortemente ou fazê-lo acreditar que pode fazer qualquer coisa que sua mente definir.”. Segundo a Dra Karen, auto-estima surge somente através de resultados obtidos pela prática, pelo enfrentamento e superação de desafios. Você somente irá se sentir bem sobre si mesmo quando você tiver a experiência de que se saiu bem, o que gerará uma “auto-estima saudável”.Resiliencia 1

Resiliência é fundamentalmente baseada no conceito de que não é a quantidade de desafios ou tempos difíceis que ditam nosso (in)sucesso, mas sim a maneira como nos comportamentos e respondemos a esses tempos difíceis; em particular:

  • pela precisão de nossa análise dos eventos ou desafios;
  • pela flexibilidade ou pelo número de cenários alternativos que podemos imaginar ou criar;
  • pela capacidade de agirmos com flexibilidade;
  • por nosso esforço contínuo em assumir novas oportunidades e desafios.

Muito provavelmente, a prática de tais parâmetros exigirá de cada um de nós mudança em nossos padrões de pensamento.

Resiliencia 2Adquirir uma “visão otimista” não significa necessariamente “ter esperança”, mas saber que os problemas ou desafios da vida são temporários, específicos e externos; saber o que fazer quando os desafios aparecerem ou saber como procurar e criar novas respostas para superá-los; manter o foco em seus propósitos e valores, mesmo quando tudo em sua volta estiver por desabar.

Portanto, a chave para a resiliência é a capacidade de reconhecer seus próprios pensamentos e estruturas de crença e a de aproveitar o poder de maior precisão e flexibilidade do pensar para gerir as consequências emocionais e comportamentais de forma mais eficaz.

Saiba que esta capacidade pode ser aprendida e aperfeiçoada.

O que achou desse artigo?

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s